OBRIGADA PAPAI

 

 

 

Oi, o meu nome é Margareth e eu tenho 19 anos. O meu pai acabou com a própria vida e m novembro de 2002. Quando a minha prima me buscou no trabalho aquela noite eu não queria acreditar que ele se quer pensaria em suicídio. Eventualmente eu acabei aceitando a escolha dele, mesmo que ela tenha machucado tanta gente.

Depois da morte dele eu fiquei chateada, pensando que ele tinha ido pensando que eu estava brava com ele, ou que não soubesse o quanto eu amava ele, porque nós tivemos uma briga no dia anterior.

Numa noite, em abril, eu acordei no meio da noite, e parecia estar em um sonho, mas não estava, estava 100% consciente. Eu não podia me mover, mas eu vi o rosto do meu pai, e ele estava sorrindo para mim. No começo eu fiquei assustada, com medo, mas depois eu fui ficando mais calma e eu queria dizer "eu te amo!", mas eu não conseguia falar nada também. Então de repente eu consegui mexer o meu braço, então eu apontei pra mim, apontei para o meu coração e apontei para ele como se estivesse falando "eu te amo" com gestos, e fiquei fazendo isso, então eu me senti como se eu tivesse acordado, mas eu já estava acordada, e eu podia me mexer de novo. Eu sentei na cama, mas o rosto do meu pai já tinha sumido.

Depois disso eu me senti melhor comigo mesma pela morte do meu pai. Eu sei que vou encontrar com ele de novo algum dia, e eu sei que você já deve ter ouvido isso bastante, mas eu acho que ele queria me dizer que ele estava bem, e eu estou satisfeita por ter tido uma ultima oportunidade para dizer a ele que eu amo ele.

 

Margareth - São Paulo - S.P.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1