NÃO CONSEGUI DESCOBRIR

O QUE ERA

 

A alguns meses atrás (em julho de 2002 para ser mais exato) eu levei a minha esposa e a minha filha de 6 meses para a casa da minha mãe no interior (cerca de 90kms de São Paulo), para que a minha esposa pudesse ajudar a minha mãe a empacotar as coisas pessoais dela, antes que o pessoal da empresa de mudança viesse levar os móveis dela. Ela tinha colocado a casa para vender, para poder comprar um apartamento em São Paulo para poder ficar mais perto dos netos dela (o meu sobrinho e a minha filha, que tem cerca de um ano de idade de diferença).

Nós passamos o final de semana numa boa, mas na segunda feira eu tinha que trabalhar, então me despedi da minha filha, da minha esposa e da minha mãe e peguei a estrada para voltar para São Paulo. Já era noite e eu estava vindo numa boa a uns 120km/h com a estrada quase completamente vazia, quando eu cheguei perto de uma ponte, então diminui um pouco a velocidade, já que a via estava um pouco molhada (havia chuviscado fazia um tempinho) e algum vento lateral poderia atingir o carro e fazer ele deslizar pela estrada (afinal eu quero ver a minha filhinha crescer saudável e com o pai do lado).

Quando o meu carro diminuiu para uns 70-60km/h (por acaso eu estava como farol alto ligado, já que não vinha ninguém no sentido contrário e essa parte da estrada não tem iluminação nenhuma, então estava escura feito breu) e eu já estava quase na metade da ponte, um animal (ou o que quer que fosse) pulou do meio do mato para a pista na outra ponta da ponte e começou a atravessar a via. O jeito que ele andava era bem peculiar: andava com as costas arqueadas e com a cabeça abaixada para frente no meio dos ombros. Era meio cinzento e a pele parecia viscosa e não tinha pêlos. Não tinha calda ou rabo. Eu pisei no freio para dar mais tempo para ele atravessar, já que era bem grande e se eu batesse nele, poderia causar um acidente grave. Assim que ele atravessou as duas vias e chegou na barreira que divide as pistas, ele parou e ficou de pé se apoiando nas patas de trás. Ficou parado assim como um canguru ficaria e olhou em volta. Ele encarou os meus faróis como se estivesse hipnotizado por alguns segundos. As patas da frente eram compridas o bastante para encostarem nos seus joelhos. Os olhos dele refletiram os meus faróis assim como os olhos de qualquer cachorro ou ato refletiriam, só que eram reflexos verdes. A essa altura eu já estava a uns 30 metros dele e foi então que eu notei como as costas dele eram. Era como se a coluna dele fosse exposta. Ele tinha uma corcunda e enquanto estava de pé parecia ter uns 1,65m de altura. Eu estava a uns 20m quando ele pulou a barreira para o outro lado começou a atravessar o resto da estrada. Eu tinha diminuído para uns 25km/h quando um caminhão gigantesco que estava vindo na outra pista viu ele também. Ele buzinou para ver se conseguia espantar a criatura para fazer ela atravessar a pista mais rápido, e conseguiu. Ele saiu correndo e se enfiou no meio do mato do outro lado.

Quando eu cheguei mais perto, já não conseguia mais ver ele. Mas eu sei que aquilo não fazia parte da fauna local ou de qualquer outro lugar que eu conheça.

Eu falei para todos os meus amigos sobre o que eu vi, e todos falam que era um cachorro. um cachorro grande no meio do mato que fica em pé nas patas de trás e pede comida para carros que passam a 100km/h? Bem, esse é um cachorro corajoso! Todos os outros que eu vi, assim que vêem um carro enfiam o rabo no meio das pernas e fogem

O que quer que tenha sido, me assustou um pouco quando eu vi, e eu ainda estou tentando descobrir o que era. Até agora a Internet não me esclareceu nada. Se alguém tiver alguma idéia do que puder ter sido, mande para o site!

Obrigado.

 

Richard - São Paulo - S.P.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1