ACORDANDO ASSUSTADO

 

 

 

Eu li as outras histórias nesse site e resolvi contar uma que aconteceu comigo quando eu era pequeno.

Aconteceu quando eu era um garotinho, crescendo em uma cidade pequena, perto da divisa do estado de São Paulo com Minas Gerais. Eu morava em uma casa bem pequena com a minha família, e por causa da falta de quartos, eu dividia o meu quarto com a minha irmã. Foi nesse quarto que tudo aconteceu.

Uma certa manhã eu acordei, pensando que seria um belo dia. Eu levantei a minha cabeça e notei uma mulher parada no pé da minha cama, completamente envolta em uma escuridão estranha, com as mãos na cintura. Eu podia perceber que era uma mulher pelo formato do corpo dela, porque não dava para ver mais nada, era uma forma completamente negra, inclusive o seu rosto. A silhueta do cabelo mostrava que ele estava preso na cabeça como um coque. Ela parecia estar usando uma saia, mas o resto da parte de baixo estava oculta pela minha cama.

Ela apenas ficou parada lá, olhando na minha direção, sem dizer nada. Só uma olhada nela me fez voar para debaixo das cobertas. O tempo inteiro que eu fiquei lá embaixo eu tentei me acalmar e tentei imaginar o que podia ser aquilo que eu tinha acabado de ver.

Depois de algum tempo coberto, eu criei coragem para colocar a cabeça para fora, para ver se ela ainda estava lá. Eu lentamente coloquei os olhos para fora da coberta, para ver ela parada ali ainda, no mesmo lugar, sem se mexer, na mesma posição que estava antes. E mais uma vez, eu fui para de baixo da coberta. Enquanto isso tudo acontecia, a minha irmã estava dormindo. A cama dela era paralela à minha, bem à minha direita.

Enquanto tampava a visão daquela "visitante" com o cobertor, eu tentava acordar a minha irmã chamando ela. Eu não queria falar muito alto porque parecia ser a melhor coisa a fazer naquela situação. A minha irmã continuou dormindo apesar de eu ficar chamando ela, então eu decidi que era hora de fazer alguma coisa mais drástica. Eu sai da minha cama e fui bem devagar atravessando o quarto em direção da cama da minha irmã tampando a visão do espectro com a minha mão (afinal, eu estava bem assustado). O meu plano era acordar a minha irmã para ela ver aquilo e me explicar o que podia ser aquela mulher, completamente escura, em pé na frente da minha cama. Como eu não podia imaginar o que podia ser aquilo, eu achei que ela pudesse me explicar.

Eu cheguei até a cama dela sem nenhum problema e eu estava para acordar ela quando eu resolvi dar uma olhada para ver se a aparição ainda estava lá (eu ia me sentir um completo idiota se ela acordasse e não tivesse nada lá). Ela ainda estava em pé lá, do mesmo jeito que estava antes, só que dava para perceber que o rosto dela estava virado para onde eu estava agora. Mesmo não conseguindo ver os olhos dela, eu sabia que ela estava me olhando. Ela estava me olhando desde que eu tinha saído da minha cama até chegar na cama da minha irmã. Isso me deixou apavorado mesmo, quase que em estado de choque. A única coisa que eu consegui fazer foi pular para a minha cama de novo e entrar embaixo das cobertas, de novo. Eu nem cheguei a acordar a minha irmã, e eu realmente me arrependo disso até hoje. Ela ia ver aquilo com os próprios olhos, e eu deixei isso escapar por causa do meu medo.

Eu fiquei embaixo das cobertas por muito tempo, todo encolhido e tremendo. A minha mãe depois de um tempo veio para o meu quarto para me perguntar porque eu estava demorando tanto para me levantar, e porque eu estava todo enrolado no cobertor. Quando eu coloquei a cabeça para fora do cobertor Não tinha mais nada lá, só a minha mãe na porta do quarto e a minha irmã ainda dormindo. Eu nunca mais vi a minha visitante matinal.
 

Roberto - S.P.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1