A MALDIÇÃO DE
ALEXANDER CAMPBELL

"Poderia alguém levar uma injustiça feita sobre si quando em vida para o além?
Que força fantástica poderia materializar uma 'marca' eterna para mostrar ao mundo
que um grande erro foi cometido?"

O fato a seguir mostra que isso é possível, e já aconteceu!

====================================================================================

Alexander Campbell

 

Durante vinte anos, no período de 1860 a 1880, os trabalhadores das minas de carvão dos Estados Unidos foram oprimidos com as desumanas condições de trabalho impostas pelos seus chefes, de maioria descendentes de ingleses e galeses.
Esses fatos inclusive constam da história americana.

Os mineiros, quase todos irlandeses, após sofrerem inúmeras injustiças e de serem praticamente "escravizados" criaram a Mollie Maguires, uma sociedade secreta que tinha como objetivo reduzir os desmandos dos proprietários das minas de carvão da Pennsylvania (EUA).

Jim Thorpe Jail (a antiga prisão de "Jim Thorpe" na Pennsylvania (EUA), onde Alexander Campbell deixou sua marca "para sempre"


A Mollie Maguires realizou manifestações e, também, tumultos, onde morreram cerca de 150 pessoas.
Os proprietários das minas resolveram contra-atacar, solicitando os serviços de uma agência de detetives, que colocou um dos seus agentes infiltrado entre os operários. Logo, esse agente se tornava um dos membros da Mollie Maguires.
Com os seus relatos, doze integrantes da sociedade secreta foram condenados à forca em 1877.

Entre os condenados estava Alexander Campbell, que jurara ser inocente pelo assassinato de um supervisor de uma das minas. Porém seus algozes não levaram em conta a sua declaração e o mataram.

Enquanto era arrastado para a cela 17 da prisão de Jim Thorpe (Coordenadas GPS: Latitude / Longitude = 40°52'25.39"N, 75°43'47.88"O), no estado da Pennsylvania (EUA), de onde aguardaria o momento de sua morte, Campbell esfregou a sua mão esquerda no chão e pressionou-a contra a parede, declarando aos gritos:

- Esta impressão permanecerá aqui para sempre, como prova de minha inocência.

A profecia de Campbell se cumpriu.
Ainda hoje, pode ser vista a sua impressão palmar crivada na cela onde aguardou, inconformado, a morte.

A Marca "Eterna" da Mão de Alexander Campbell na
cela 17 da prisão de Jim Thopre, Pennsylvania, EUA.

Detalhe da imagem da Marca "Eterna" da
Mão de Alexander Campbell

 

Nenhum dos vários esforços para retirar a marca teve êxito.


Em 1930, um xerife recentemente eleito, prometeu retirar a impressão, mandando substituir o pedaço de reboco que continha a marca de Campbell por um novo.
Conforme mandado, a área a qual continha a "marca da mão" de Alexander Campbell foi quebrada e removida em pedaços.
Em seu lugar um novo reboco totalmente novo, feito com cimento de primeira qualidade, areia, cal e pedras foi feito.

Na manhã seguinte, o xerife voltou a Cela 17, e espanado viu que a "impressão" da mão de Alexander Campbell novamente se encontrava na parede.
Em 1978, um pintor de paredes entrou às escondidas e pintou aquele pedaço do reboco, mas, para seu espanto, a impressão voltou a ficar visível na tinta fresca, para mostrar a todos os seus observadores o erro que implicou no sacrifício de uma vida.